No mês de Fevereiro deste ano de 2019, ocorreu a premiação internacional The World Restaurant Awards, em Paris; em que o restaurante paulista Mocotó, criado por Rodrigo Oliveira, mais conhecido por Rodrigo Mocotó, ganhou o prêmio No Reservations Required (sem necessidade de reservas) diretamente das mãos de Alex Atala.

Mocotó ganha prêmio mundial
Em um tuíte no perfil do The World Restaurant Awards: “Até agora, ninguém havia feito uma lista como essa”, diz Alex Atala ao apresentar o prêmio de restaurantes sem necessidade de reservas, para o amigo brasileiro Rodrigo Mocotó, do Restaurante Mocotó

O restaurante de Rodrigo foi criado unindo a origem sertaneja de seu pai com um toque de inovação e tem foco na inclusividade. Como afirma em seu site: “Uma experiência para todos, num restaurante que acolhe os mais diferentes paladares, níveis sociais e culturais. Uma cozinha que, como define Rodrigo Oliveira, é feita com os olhos no mundo e os pés sempre firmados no sertão”.

restaurante mocotó
O restaurante foi fundado como uma casa do norte, em 1973, por José de Almeida e hoje é dirigido por seu filho, Rodrigo Oliveira

O prêmio foi criado pela IMG em parceria com Joe Warwick e Andrea Petrini para celebrar restaurantes como cultura, da mesma forma que cinema, arte e música são. Como afirmam em seu site: “Isso significa categorias relevantes / progressivas julgadas com integridade robusta por um painel de especialistas em uma tentativa de refletir melhor a verdadeira variedade e diversidade da cena do restaurante internacional: de inovadores de jantares finos a estabelecimentos humildes e acessíveis; grandes capitais culinários para destinos mais remotos”. Ainda de acordo com a diretora da Organização, Cecile Rebbot:

“Nós nos propusemos a criar um prêmio verdadeiramente internacional com uma nova abordagem, reconhecendo toda a amplitude e profundidade da indústria, mas isso é apenas o começo em termos de experiências de restaurantes ao redor do mundo que queremos explorar e descobrir. ”

A cerimônia de lançamento foi realizada em Paris, conhecida como o berço dos restaurantes do mundo ocidental, no dia 18 de fevereiro de 2019 e teve a participação de chefs de todo o mundo, incluindo Alex Atala, Alain Ducasse, Dan Barber, Hélène Darroze, Ana Roś, Clare Smyth e Hot Chip.

Quanto a outros prêmios da cerimônia, confira os vencedores abaixo:

  • Restaurante novo do ano : Inua, Tóquio, do alemão Thomas Frebel ex-braço direito de René Redzepi;
  • Restaurante livre de pinças do ano: Bo.lan, Banguecoque, Tailândia;
  • Prato da Casa do Ano : Cacio e pepe “en vecia” (servido numa bexiga de porco) de Ricardo Camanini, Lido 84, na Lombardia, Itália. Era esta a categoria em que concorria o cachorrinho da Gazela, Porto;
  • Restaurante num lugar Remoto do Ano: Wolfgat, África do Sul;
  • Conta de Instagram do ano: Alain Passard;
  • Restaurante com Melhor Ambiente do Ano: Vespertine, Los Angeles, EUA;
  • Restaurante Sem Reservas do Ano: Mocotó, São Paulo, Brasil;
  • Chefe Sem Tatuagens do Ano: Alain Ducasse;
  • Restaurante  “Ethical Thinking” do ano: Reffetorio (várias cidades do mundo);
  • Original Thinking: Le Clarence, Paris (bateu, entre outros, o Noma, Enigma, Mugaritz);
  • Trolley do Ano: Ballymaloe, Irlanda (carrinho de doces);
  • Enduring Classic (restaurante aberto há mais de 50 anos): La Mère Brazier, Lyon;
  • Forward drinking (lista de bebidas do ano): Mugaritz – no ano em que celebram 20 anos, um restaurante “que é uma aberração”, como Andoni Aduriz se referiu em tom jocoso, quando discursou no palco;
  • Restaurante com lista de vinho tinto do ano: Noble Rot, Londres, Inglaterra;
  • Evento do ano : Refugee Food Festival (vários locais);
  • Colaboração o ano: Paradiso com Gortnanain, Cork, Irlanda;
  • Peça jornalistica longa da ano: Lisa Abend “The food circus”, Fool Magazine;
  • Restaurante do Ano : Wolfgat, África do Sul.